sexta-feira, 29 de dezembro de 2006

Feitiço do Tempo

Êêêêê!!!! É chegado o momento do tradicional post de fim de ano! Se a preguiça me permitisse eu iria fuçar nos arquivos e ler os três últimos. Do ano passado eu lembro que desejava aprender kung fu em 2006. Ganha um CD da Line Records (Mara Maravilha ou Jamille, tenho certeza que você não vai querer qualquer um deles!) quem falar primeiro que a mesma preguiça também não deixou eu sair por aí dando porrada tal e qual o Mister Lee. Pelo menos a barba do Chuck Norris eu já tenho, né não? Fujo de gente que se empolga com estas festas. Tipo sair correndo pra comprar calcinha desta ou daquela cor. Vou passar a virada sem cueca numa espécie de retrospectiva 2006 pra ver no que dá... Gente que se deprime também enche o saco! Como se não fosse apenas uma contagem de tempo! Vêm aí mais 12 meses para a se tentar fazer menos cagada... Só isso! Eu festejo esta oportunidade como quem acha um cupom dourada na última barra de chocolate, com certa ansiedade. E claro de tanto ouvir a patacoada da TV a gente acaba imaginando o que gostaria de fazer em 2007. Ux! E já é 2007! Não foi ontem que entramos em 2000? Óbvio que desta vez entro numa academia de kung Fu, vou adquirir massa muscular e parar de fumar antes que descubra um enfisema pulmonar... Mas se acordar todos os santos 365 dias com cabelo bom já estarei feliz pra chuchu... Fora isso, adeus ano velho, feliz ano novo, que tudo se realiiiiiize no ano que vai nascer... Deus! Gente chique lá canta isso?

[Ouvindo: Stayin‘alive – Bee Gees]

quarta-feira, 27 de dezembro de 2006

Os Trapalhões no Rabo do Cometa


Mandrake says:
Eu tinha umas Readers Digest bem velhas, cheias de mapas. E uma maleta antiga do meu pai. Pegava a maleta e viajava por todas as cidades dos mapas, sem sair do meu quintal.

Miguel Andrade says:
Um dia eu mantive no ar por quase 24 horas um canal de TV.

Miguel Andrade says:
Com câmera de papelão e tudo!

Miguel Andrade says:
Teve jornalismo, culinária, programa infantil e novela.

Miguel Andrade says:
Sem parar, e com intervalos para os comerciais e tudo.

Mandrake says:
Eu não podia me dar esse luxo. Ao contrário de uns e outros, eu fazia lição de casa.

Miguel Andrade says:
Hahuahuahuaahuahua”

E de pensar que minha imaginação infantil me fazia sonhar em ter uma emissora de TV… Ia dar algo mais do que traço no ibope se levarmos em consideração a qualidade do que se assiste hoje. Algo menos do que se pode esperar que venha de um ralo. E nunca se sabe se tudo ficou ruim de lascar ou se foi a gente que aprendeu de mais o que é bom ou ruim. Aposto nas duas coisas!!! A TV morreu. Viva a TV! Tal e qual a popularização dela jogou uma pázinha de cal no moribundo rádio. E se há uma coisa que não to podendo é ouvir rádio. Odeio! A vantagem da Internet é que tem conteúdo para todo mundo. Por mais que se vulgarize, sempre encontraremos um cantinho batuta. Dá certo cansaço a supervalorização de coisas ruins, desocupados levando horas tentando saber quem tá comendo quem entre os famosos ou na busca da cara-metade. Mas pode-se isolar isso que é uma beleza! E me pergunto pra quê tanta ansiedade para a chegada da TV digital e suas alardeadas dezenas de canais novos. Lixo multiplicado... Os católicos e crentes (que tão podendo) já devem estar esfregando as mãozinhas ouvindo o tilintar das moedas com essa novidade. Ah sim, e quanto a nunca fazer lição, não tentem isso em casa, crianças!


[Ouvindo: Saluting The Great American Lesbian – Chained Girls]

quinta-feira, 21 de dezembro de 2006

A Felicidade Não Se Compra

Natal é bom se pouco nos lixarmos aos simbolismos religiosos ou a gana desenfreada do comércio. O clima é legal, e dá pra lembrar de quando éramos todos muito mais felizes. Todo ano é a mesma coisa! Esqueço de decorar a casa e depois passo a noite do dia 24 morrendo de medo de receber a visita dos três espíritos. Minha fé é que eles entendam que isto é normal para uma pessoa que vive comprando creme de leite achando ser condensado ou xampu ao invés de condicionador. Ah sim, a TV enche o saco nesta época. E o que é aquele comercial absolutamente nojento do Speedy? Tá me tirando, mané? Se coral natalino de criancinhas já é dose, coral natalino de criancinhas anunciando qualquer produto da Telefônica eleva isso ao cubo. E tem os bancos que arrancam o couro o ano todo e surgem nesse período pedindo para ficar mais um ano junto a você cheio de paz e ternura! Gosto de ver neve fake decorando árvores. De preferência árvores de plástico verde brilhando, com galhos tipo limpador de mamadeira. Uma espécie de pingüim de geladeira das festividades. Também não é ruim a sensação quando se acha algum petit que ainda acredite piamente na existência do Papai Noel. Levei anos pra descobrir a verdade. Nove na verdade! Foi praticamente um trabalho de fazer inveja ao elenco do CSI, juntando uma informação aqui, outra ali, uma conversa pela metade da minha mãe, um pacote colorido escondido atrás de um sofá... Hoje qualquer pirralho com acesso á Internet taca no Google e descobre em segundos. Já dá pra sonhar com uma sociedade menos cínica. E lembraremos de quando éramos todos muito menos obsoletos!

[Ouvindo: Brand New Beat – BoA]

sábado, 16 de dezembro de 2006

Carlota Joaquina, Princesa do Brazil

Mil vezes pior que fazer supermercado é na hora de chegar ao caixa notar os empacotadores fingindo que sou transparente. E quer saber? Estão certos! Ficam em pé o dia todo, no lugar deles eu levaria um gibi pra passar o tempo. Quem tá errado foi quem os selecionou, deu treinamento, etc! Igualzinho, igualzinho aos nobres deputados, muitos deles semi-analfabetos, chafurdando em verba pública... Também acho brasileiro um povo tão bonzinho porque concede a oportunidade de trocar a cachaça pelo uísque a um notório pau-d’água como o presidente da república Luis Inácio Lula da Silva. Não uma, mas duas vezes!!! Como se não bastasse para que isso aqui me pareça uma merda, ainda recebi uma desagradável informação. Se uma amiga fofa dos EUA decide te presentear com um eletrônico o governo não deixa! Porque mesmo sendo um presente, não uma compra, a alfândega quer 60% do valor de quem recebe o mimo, mesmo sendo uma pessoa física... Quêêêê? Qual será a lógica? E levanta a mão quem acredita que aquelas lojinhas de eletroeletrônicos importados, que pululam qualquer viela do país, pagam 60% da muambada toda! Ser honesto num país medíocre como o Brasil dá trabalho pra chuchu! Imagina minha cara de nádegas pra explicar por que terei que recusar... Que vergonha!!! Uma outra amiga sortuda fará almoço de despedida neste domingo. Vai linda, loura e japonesa (de marido a tira colo e bebê na barriga) embora pra Suíça! Já não falaram que a melhor saída para o Brasil é Cumbica?

[Ouvindo: Introduccion A Heros Y Tumbas – Astor Piazzolla]

terça-feira, 12 de dezembro de 2006

Hairspray

Nunca suportei cortar o cabelo. Talvez seja porque quando pequeno ouvi meu pai ordenar furioso que meus looooongos cachos dourados fossem tirados. Estava cansado de ouvir que sua filha (!!!) era linda! Quando maiorzinho também não ajudou em nada um barbeiro velho que fungava enquanto trabalhava esfregando o pipi no meu cotovelo. Feliz devia ser o Capitão Caverna... Diz que em Portugal há uma santa que mesmo morta continuam tendo de lhe cortar o cabelo e as unhas! Humpf! Nem morta, santa!!! E semana passada que fui a um cabeleireiro e parecia que tava alguns graus etílicos acima da sociedade? Enquanto eu via os hambúrgueres do mês na Sexy já notei o quanto era falastrão. Quando me perguntou como queria o corte fui logo dizendo erguendo a sobrancelha esquerda: “Olha, querer mesmo eu queria tipo o cabelo do Ed Fury, ou de qualquer outro galãzinho de filme B da década de 50, mas pode cortar normalzinho que tá ok, já que não consigo explicar direito!”. A palavra-chave foi “filme”! Pouco antes de relembrar toda a filmografia do Elvis disse que imitar o cantor de Love-me Tender era o fim da picada e mesmo que quisesse não dá porque tenho pouca testa! Então tá! Outro que não entendeu mas tudo bem! Nas próximas três horas ouvi um pouco sobre Gary Cooper, Lauren Bacall e todo o cast dos anos dourados hollywoodianos. Além de uma pequena dissertação sobre o quanto o Tombstone original com Burt Lancaster era superior à refilmagem com Kurt Russell. Nem especulou a minha vida nem nada, não cafungou no meu ouvido, nem tentou me botar a par do que tá acontecendo na novela das oito. E quer saber? Não esperarei os habituais quatro meses para voltar a cortar o cabelo!

[Ouvindo: Believe – Chemical Brothers]

sábado, 9 de dezembro de 2006

Jogos, Trapaças e Dois Canos Fumegantes

Se houvesse uma eleição para celebridade viva preferida eu votaria em Daryl Hannah! Motivos? Escaneando minha coleção da Set confirmei que entre o fim dos anos 80 e começo dos 90 só dava ela. Daí, cada vez mais foram diminuindo noticias sobre seus filmes e aumentando as de sua vida pessoal, principalmente quando namorou John John Kennedy. De qualquer forma, (que eu saiba) não sai por aí sem calcinha, nem faz ações beneméritas só quando está lançando single, disco ou filme novo como você sabe quem... A última vez em que apareceu na grande mídia foi quando a policia de Los Angeles a retirou de cima de uma árvore onde fazia campana para que uma horta comunitária de latinos pobres não fosse destruída. Pow!!! E já li entrevistas onde assumia que fez filme em troca de um quarto de hotel, a banana ao grande circo cinematográfico! Parece valer qualquer coisa desde que sobre algum dinheiro para investir em seus documentários politicamente corretos. Até micos como usar peruca preta e virar a Mortícia Adams de um filmeco televisivo. Ainda mantém um vídeo blog, o DH Love Life (que você conhece clicando aqui), com suas visões positivas sobre o planeta. Sem falar que é linda de morrer, meu andróide favorito e na hora de encarar Uma Thurman, não há Hattori Hanzo que lhe assuste... É pouco?

[Ouvindo: Chunga’s Jaan Pehechaan Ho – Mohammed Rafi]

terça-feira, 5 de dezembro de 2006

Magnólia

Outra conversinha sob o varal! E a Rita Lee que nos idos das meias Lurex e calças Starup chegou a afirmar que “É moda sair nua em capa de revista”? Agora as madames ficam nuas em qualquer lugar. De Juliana Paes a Britney Spears, todas já foram flagradas com a prochaska soltinha da silva em lugares públicos. Até a Adriane foi com a Galisteu à mostra numa festa! Uma amiga minha está achando que elas querem é criar polêmica. Vão acabar como a Paris Hilton, que o povo nem convida mais pra evento algum porque sempre aparece pelada! E não meteram (literalmente) o pau nas cariocas funkeiras quando se assumiram preparadas? Ah sim, gente branquinha, loirinha e montada no aqüé pode! Humpf... Se a coisa vingar, logo logo vai ter que ter um verbete dedicado à Lílian Ramos em qualquer enciclopédia de moda que se preze. Se bem que a primeira no planeta a conseguir a façanha de sair em uma revista sem usar nada foi a nossa (Brasil, sil, silllll!!!) Carmen Miranda em 1941. Acidentalmente, claro, como você confere vendo esta foto ao clicar aqui! Eu hein, Rosa! Pra mim são porcas e ponto. Sair sem calcinha me cheira (!!!) a falta de higiene... Ainda mais mulher que fica indo fazer xixi a noite toda. E se der vontade de fazer o número 2? Pensou? É pra usar o vestido uma vez só e jogar fora!

[Ouvindo: Chunga’s Revenge – Gotan Project]

sexta-feira, 1 de dezembro de 2006

Torrentes de Paixão

O que você me diz de um dia em que se descobre logo pela manhã que o modem está queimado, sai pra comprar outro e tentando instala-lo por conta própria ferra a placa (filha da) mãe? Chegando a casa após um milagroso conserto pá pum, aliás, mais pum do que pá, cai um aguaceiro daqueles que meu avô dizia serem dignos dos cachorros tomarem água em pé, que quase leva absolutamente tudo que tenho! As lâmpadas (acesas) pareciam cascatas ornamentais, as tomadas e interruptores idem... Logo eu que me pelo de tomar choque!!! Pesadelo! E nessas horas a educação católica grita: “To sendo castigado! To sendo castigado! Mas quê que eu fiz?” Também pensei no Pica-Pau descendo as cataratas... Ah sim, apareceu um Rambo que foi ao telhado e descobriu uma bola de plástico entalada na calha! Han? E não é que o cara da casa ao lado também afetado (afeeee!), cheio de filhos que volta e meia jogam bolas no meu quintal ainda queria processar a imobiliária, o proprietário, blábláblá? Humpf! Pra cima de moi? Resumo da ópera, na (irresistível não dizer) bonança, todos saíram vivos e bem. E claro com aquela puta sensação de que a gente não é nem tem posse de absolutamente nada nessa vida! Nadica de nada! Adianta colecionar a revista Set por quase 20 anos se em segundos todas poderiam ter virado papier mâché? E cê pensa que não pensei nos meus DVDzinhos? Quando o tal Stallone sul americano cismou em escalar o muro cheio de musgo até o telhado, debaixo de quase um dilúvio onde mal dava para se abrir os olhos, implorei do fundo do meu coração ( Sim, sim! tenho um!!!) pra não fazer aquilo, porque o que era a sua vida comparada a um monte de coisas compradas aqui e ali? Nesse segundinho, por um mísero segundinho encharcado, me desprendi de tudo que me cerca e virei quase um hare krishna... Hare hare krishna krishna…

[Ouvindo: Stay – Oingo Bongo]


UPDATE: Ops! Tinha esquecido que havia postado imagens da tragédia no mesmo dia em que tudo aconteceu! Veja as fotos clicando aqui, aqui e aqui! Ah, e dois dias depois tenho realmente certeza que isto mudou minha forma de encarar a vida! É quase como um filme da Sally Field!!!!

Related Posts with Thumbnails