terça-feira, 28 de março de 2006

Melhor é Impossível


Trata-se de um jogo, surgido no blog lusitano Nuvem Número 9 envolvendo outros blogueiros. Fui convidado a participar pelo meu primo Samuel Andrade. Convite feito, convite aceito. Seguem abaixo as regras, minhas principais manias e em seguida meus escolhidos:

«Cada bloguista participante tem de enunciar cinco manias suas, hábitos muito pessoais que os diferenciem do comum dos mortais. E além de dar ao público conhecimento dessas particularidades, tem de escolher cinco outros bloguistas para entrarem, igualmente, no jogo, não se esquecendo de deixar nos respectivos blogs aviso do ‘recrutamento’. Ademais, cada participante deve reproduzir este ‘regulamento’ no seu blog.»
Mania Nº1

Tudo que gosto neste mundo queria que durasse para sempre, e poucas coisas nessa vida atraem meu apreço mais que DVDs, Livros, revistas, CDs entre outras traquitanas. E que upa é conserva-los tal e qual foram adquiridos. Alguns livros mais xiquis simplesmente não os leio para não marcar ou amarelar. Com DVDs e CDs faço questão de guarda-los no estojo com os dizeres do disquinho retos. Com as letras na horizontal ou como foram originalmente criados. Não é porque seu formato é circular que podem ser guardados de qualquer maneira, não senhor! Já levantei da cama no meio da madrugada para ver se tinha guardado um DVD corretamente.
Mania Nº2

Não importa se o café é fresquinho, saindo fumacinha. Frio ou gelado, feito ontem á tarde ou hoje de manhã. Fraco, quase precisando de ajuda pra sair da garrafa térmica, ou aquela porrada de manchar a xícara. Daquela marca carerrérrérrima ou do anunciado no Programa do Ratinho, tomo sem frescura nenhuma, me sentindo o mais macho e corajoso ser do planeta.

Mania Nº3


Fotografo animais vira latas na rua quase que religiosamente. Mesmo muitas vezes sendo caninamente acusado de explorar o mundo cão literalmente quase sempre levando mordidas, emociona-me aqueles olhinhos solitários, mas livres. Já publiquei uma foto de um deles meramente para ilustrar uma matéria sobre vacina anti-rábica, o que fez seu dono reconhecer o fujão no jornal. A Glenda poderia ser uma das fotografadas se não fosse uma gata além de cores sortidas, muito sortuda.

Mania Nº4

Ok, já me convenci de que revistas no Brasil são podres, custam os olhos da cara e seus conteúdos não me satisfazem mais. Mas bancas podem ter inúmeras surpresas a cada semana, e aquele cheiro de papel novinho me faz ficar alegre! Sempre que posso, e às vezes posso diariamente, entro em três ou quatro. Faço questão de comprar a Set lá há quase 20 anos mensalmente e não em recebe-la no conforto do meu lar.
Mania Nº5

TV! Aquele objeto que amo odiar! Posso lembrar o nome de todo elenco de uma novela de 1987 e nem confiança ao atual número do meu telefone. Posso contar a programação do dia inteiro nos 10 canais abertos, foi assim que aprendi a ver as horas. Não mudando absolutamente em minha vida sei qual a novena atual da Igreja Universal do Reino de Deus, não durmo até ver que filme vai passar no Corujão e sei em que pé estão todas as tramas das telenovelas (até da mexicana mais medonha) mesmo sem assisti-las, apenas pelas chamadas. Acordo, ligo a TV e acendo um cigarro. Se ouve um hecatombe nuclear, eles devem estar anunciando...
Continuando o Jogo da Manias


Os indicados para continuar serão os donos dos seguintes endereços:

O Cafofo do Metheoro do Junior
Fragmanetos Croniquizados de Pedro Paes do Flavimar
New Alriada Express do Duende
Meu Jornal do Juliano
e o blog da Lilith


[Ouvindo: You Are My Destine - Paul Anka ]

sábado, 25 de março de 2006

Aluga-se Moças

E já se foi o tempo em que a embalagem de meias calças, com uma modelo de perfil trajando apenas a peça, me animavam! E tinha a cara-de-pau de recortar e fazer uns pequenos álbuns com elas... Até descobrir que catálogo de lingerie era a evolução da coisa em si. Com a internet e minhas coleçõezinhas x-rated cada vez mais abastada tudo ficou tão banalizado que acho gostoso colecionar, separar por categoria, cada qual em sua pastinha, mas a sua função não vai além disso. Não captei ainda se isso acontece pela fartura ou se é porque a industria cosmética evoluiu junto com a pornô. Muita depilação, silicone, luz, Photoshop, plástico... Chego a ponto de ficar alegre identificando estria em uma bunda qualquer. Juro que não estranharei quando a Princesa Fiona estiver com suas vergonhas á mostra. Não é à toa que a minha subpasta favorita hoje é justamente a “Vintage” com imagens produzidas antes de 1986. Tudo muito grotesco e selvagem como deve ser essas fotos de basfond. Me divirto pela make-up tentando descobrir de qual década elas pertencem. E não só. Dependendo do período é só associar a estética a alguém famoso do período. Nomeio algumas subcategorias inclusive com a palavra “pseudo” seguida pelo nome dos astros: Charles Bronson, Lucélia Santos, Maria Alcina, Jayne Mansfield, Vanderleia, Stallone. E óóóóóbvio as 50’s queriam ser Marilyn Monroe de cabelo (mal) desbotado e pintinha fajuta acima da boca. As das décadas de 10 e 20 me dão medo com aquelas mulheres em figurino vitoriano cedendo aos caprichos de senhores de fartos bigodes. Todos já mortos. Uma espécie de “Os Outros” da sacanagem.



[Ouvindo: Game Over - Alexa Vega]

terça-feira, 21 de março de 2006

Old Boy

E se houve uma imagem que me acompanhou a vida inteira (além do Darth Vader, claro!) foi a do papa João Paulo II chegando a um país, se ajoelhando e beijando o solo. Alimentei por anos a fio a vontade de fazer o mesmo assim que desembarcasse em Tokyo. Isso antes, bem antes de virar moda, e boa parte das multinacionais serem compradas por japoneses. Aos sábados, na TV Bandeirantes, no saudoso Japão Pop Show, dava pra sonhar um pouco. Muito raramente eles passavam animações stop motion, aliás, as mesmas exibidas também em Portugal. Elas começavam com “mocachi, mocachi, mocachi,”, e uma voz na nossa língua ia traduzindo: “Era uma vez...”. Hoje as programações matinais das TVs abertas ou fechadas estão abarrotadas de animés, e não só japoneses, mas coreanos e chineses estão aqui e ali, com suas caras amarradas e nada de sorrisos, mesmo que amarelos. Gelo ao entrar em lojinha “a partir de 1,99” de compatriotas da Gong Li. Pensou se essa gente encana que você roubou algo? Vá se explicar em mandarim que eu quero ver! E se lutam kung fu? Pensou? Comprava cigarro em um boteco e o chinesinho (sempre no caixa) ficava segurando o maço e avisava: “É dois leal!” TODO SANTO DIA!!! Tonto que sou, já entrava mostrando os dois reais, até o dia em que encrespei sem o mínimo medo de receber um shaolin kick em contrapartida... Outra vez fui em outro pra comprar isqueiro. Só lá dentro notei que a dona devia de ter (sendo otimista) uns 283 anos, tipo o Pai Mae de Kill Bill. Na hora (e você sabe, né? A gente pra pré julgar é 1, 2, 3!) pensei que não devia nem saber falar português. “Bom dia! (insisto sempre em bom dia, por favor, obrigado, quem sabe um hora eles...) a senhora tem isqueiro?”, e ela “É puzá?”, “Isqueiro, minha senhora, quero um isqueiro”, e ela cada vez mais alto “É puzá?”. Hi, cacete, puzá deve ser isqueiro em mandarim... “Isqueiro! Isqueiro!”, “Puzá, Puzá”. Até que vi uns paraguaios na vitrine e apontei pra eles: “Isqueiro, Bic!”, aí ela: “No! Este no é Bic e custa dois leais. O Bic é só puzá aqui dentlo!”. Comunicação realmente é tudo nesse mundo globalizado...



[Ouvindo: Nós - Cássia Eller ]

terça-feira, 14 de março de 2006

Os Brutos Também Amam

Rôo as unhas da mão e nas do pé uso Trim. Preciso que alguém instale o botijão de gás porque tenho medo dele. Pulo da cama todo santo dia pra recarregar de cafeína meu organismo. Já dei porrada em gente desinteressante só pra voltar pra casa com um desaforo a menos na mochila. Hoje minha paz não tem preço. Longe do que imaginei um dia, bem perto do que mais me é conveniente. Muitos quando crescessem queriam ser o Macgyver, bombeiros, Rambo, astronautas, o Juba ou o Lula... Eu queria ser Paulo César Pereio. A persona dele em dezenas de filmes das décadas de 70 e 80 sempre me pareceu a de um devasso incorrigível e sem a mínima sombra de culpa em seu niilismo. Figurinha fácil nas noites de sexta da finada TV Manchete resolvia seus problemas conjugais com um “Porque eu te amo, porra!” e ponto. Não precisava de muito mais para que qualquer atriz habitué da rua Aurora fosse a seus braços na mais desavergonhada volúpia em 35 mm granulado. Bom vivant sem um puto no bolso com aparentes graus etílicos á frente de qualquer um de nós, era do tipo que dava surra de pinto e ainda roubava os cigarros vagabundos. Independente de que história se desenrolava, Pereio sempre foi brilhante interpretando ninguém menos que Pereio. E isso jamais foi problema. Provavelmente único astro cinematográfico genuinamente brasileiro que possuímos. Ou possuíamos, já que é difícil imagina-lo nos atuais filmes, cada vez mais com cara de novela das oito. Entre as milhares de lendas a seu respeito está a de que mascava cebola quando tinha de beijar Sônia Braga em cena porque a detestava. Dia desses, naquele programa do Abujamra, desmentiu que mascava cebola...



[Ouvindo: Duvet (accoustic version) - Boa ]

segunda-feira, 6 de março de 2006

A Má Educação


E é bacana quando acidentalmente se deixa escapar um preconceito medonho em um bate-papo qualquer e ouve-se eco na outra pessoa. Nem sou de ter muitos, não senhora... Mas, como todo ser humano, possuo uma meia dúzia. Como todo ser humano, tento escondê-los, mas também entender sua lógica, quase sempre refletida em mim. Queria ter mais simpatia por lésbicas... Achar lindo duas menininhas de mãos dadas trocando bitocas em pracinhas menos pudicas. Tenho a impressão de que não tardarão a serem grossas, dando barraco a qualquer momento. Um azedume congênito. Da mais feminina à tiazona caminhoneira, todas possuem um eterno palito Gina no canto da boca. Quando perguntaram à Cássia Eller por que sempre mostrava os seios, disse que era porque não tinha pinto, senão sairia em carro aberto mostrado o cacetão pra todo mundo. Gosto de atitude... Na mídia. Outro pré-conceito? Gordo! Quando vejo um gordo subindo com dificuldade no ônibus me controlo para não gritar: “Puta que pariu, pra quê comer tanto?”. E argh se senta ao meu lado nos bancos de trás!!! Minha claustrofobia vai a mil. Janela, eu e um gordo. SEMPRE! Ele senta ali, bloqueando o corredor, pra ocupar dois lugares... E com as pernas abertas pra tentar um terceiro! Acho que os mais gritantes são só esses mesmo, gordos e lésbicas. Ah é, tenho com maconheiros, dançarinas de axé, domadores de circo, padres, pastores e crentes (que estão podendo), mas isso já é pós-conceito, e desses não discuto, fujo!


[Ouvindo: Canción Del Mariachi (Morena de Mi Corazón) - Los Lobos with Antonio Banderas]
Related Posts with Thumbnails